• Impulsionado, principalmente, pelos segmentos de educação infantil e fundamental e de bares e restaurantes, além do transporte rodoviário de cargas, o setor de serviços registrou, pelo nono mês consecutivo, crescimento no Estado de São Paulo. Entre janeiro e setembro de 2022, foram 330,4 mil novos empregos com carteira assinada, aponta a Pesquisa de Emprego no Estado de São Paulo (PESP), índice da Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

    Em setembro, foram 33,6 mil novas contratações formais. Ao todo, o setor conta com 6,872 milhões de empregos ativos em todo o Estado, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

    Ainda segundo o levantamento da Entidade, o comércio paulista também apresenta números positivos. Nos nove primeiros meses de 2022, foram 62.730 novos empregos. O comércio atacadista foi o que mais gerou vagas no período (26.378 vagas), seguido pelo varejo (25.075 vagas) e pelo comércio de reparação de veículos (11.277 vagas).

    Dentro de cada divisão, destaques para o comércio atacadista de produtos farmacêuticos de uso pessoal e veterinário, que apontou saldo positivo de 2.248 empregos formais; para o comércio varejista de madeira, ferragens e materiais de construção, com 5.124 vagas; e para o comércio a varejo de peças e acessórios novos para veículos, com 2.685 novos empregos com carteira assinada.

    Em geral, as tendências positivas não devem mudar no último trimestre. A expectativa dos especialistas da Federação é que, os dados de outubro apresentem números mais significativos de empregos, principalmente na divisão varejista do comércio, puxado pela influência do aumento da demanda e pelas festas de fim de ano.

    Cenário

    A pesquisa mostra também que, em setembro, o setor de gêneros alimentícios puxou o desempenho do varejo e, por consequência do comércio, enquanto os segmentos relacionados ao trabalho temporário, sazonal neste período, influenciaram os números de serviços.

    No ano, o comércio continua inspirado pelos bons números do segmento de materiais de construção, enquanto segmentos do setor de serviços foram muito afetados pela pandemia, em especial os educacionais e de hospedagem e alimentação.

    Para o último trimestre de 2022, por enquanto, a FecomercioSP espera que o varejo paulista (uma das três divisões que compõem o setor do comércio do Estado de São Paulo) novamente circunde a geração de 45 mil a 50 mil postos de trabalho com carteira assinada. Deverá alcançar, portanto, um patamar próximo do registrado no quarto trimestre de 2021, quando a divisão criou 47,5 mil postos de trabalho celetistas no estado.

    Capital

    Na cidade de São Paulo, o setor de serviços registrou 121.669 postos de trabalho a mais, entre janeiro e setembro deste ano. Os serviços de alojamento e alimentação, seguidos pelos educacionais, lideraram as criações de novos empregos com carteira assinada: 20.286 e 19.351, respectivamente.

    Desde janeiro, o comércio paulistano criou mais de 22 mil vagas de emprego. A divisão varejista lidera, com 9.847 postos. Ao todo, o setor comercial da capital tem 866.892 vínculos trabalhistas ativos.

    Nota metodológica

    A Pesquisa de Emprego no Estado de São Paulo (PESP) sofreu uma reformulação em sua metodologia e, agora, analisa o nível de emprego celetista do comércio e serviços do Estado de São Paulo a partir de dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, passando a se chamar, portanto, PESP Comércio e Serviços.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.