Um prédio por semana. Essa é a estimativa para a construção das moradias sustentáveis no bairro Baleia Verde, em São Sebastião. Os apartamentos, cuja obra é realizada pelo Governo de São Paulo, serão destinados a centenas de famílias afetadas pelas chuvas extremas que atingiram o Litoral Norte em fevereiro.

A velocidade muito superior às construções convencionais é possível por conta da fabricação industrial das placas que vão compor as moradias, que saem da fábrica prontas para ser montadas e habitadas em um curto espaço de tempo. Cada chapa é composta por sete camadas de materiais com propriedades variadas.

Veja como a estrutura é formada:

  • Chapa cimentícia é a última camada na parte externa da parede – uma espécie de reboco que permite que a habitação seja tratada, pintada, reformada ou ampliada.
  • Membrana hidrófuga permite que o vapor passe por ela, mas impede a entrada de água. Ou seja: envelopa o prédio de forma a deixá-lo impermeável, mas permitindo mais circulação do ar no interior das habitações.
  • Chapa de material compósito resistente de características estruturais e responsável pelo contraventamento, que é a capacidade de solidez da edificação e de resistência ao vento. Segundo Fernandes, é este material o que garante que se façam prédios de até cinco andares com essa estrutura.
  • Peças de madeira Pinus tratada, que formam a estrutura da parede e garantem a durabilidade da edificação.
  • Chapas OSB reforçam as paredes externas e internas.
  • Duas chapas de gesso acartonado dão acabamento final no interior das moradias e podem receber revestimento de pintura e cerâmica. O gesso tem alta resistência ao fogo.

As paredes externas têm 20 cm de espessura, e as internas, 16 cm. Todos os painéis são produzidos com elétrica, hidráulica e esquadrias – molduras de portas e janelas – embutidas. Isso quer dizer que ligações de água e instalações elétrica e de telefonia já estão fixadas na estrutura interna das paredes. Os componentes metálicos da construção são tratados para resistir à maresia.

As estruturas são fabricadas pela empresa Tecverde em modelo industrial e por isso sua velocidade de construção é mais rápida do que um edifício convencional. É o que explica o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Marcelo Branco: “Na quarta-feira levantamos um apartamento inteiro do térreo e, até o final desta semana, chegaremos até o final do edifício. A previsão é que as primeiras 200 unidades sejam entregues às pessoas até outubro”, afirma.

Conjuntos habitacionais

O Governo de São Paulo está investindo R$ 72 milhões nas novas moradias do bairro Baleia Verde. Serão dois conjuntos habitacionais em dois terrenos que somam 39 mil m², totalizando 30 edifícios de quatro pavimentos, com quatro apartamentos de 41 m² por andar. Haverá ainda 20 unidades térreas e 18 moradias para pessoas com deficiência, além de quatro centros de apoio ao condomínio.

O Governo do Estado também está construindo outras 186 unidades no sistema de alvenaria estrutural na região de Maresias. Serão quatro edifícios com quatro pavimentos, com oito apartamentos de 44 m² por andar, construídos em um terreno de 12 mil m².

A previsão do Governo de São Paulo é concluir todos os empreendimentos até novembro, num investimento total de R$ 210 milhões.

 

Fonte: Governo de São Paulo

By srneto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *