Marcello Veríssimo

Mais um escândalo político ganha coro em Ubatuba. Começa daqui a pouco, a partir das 14h, no plenário da Câmara Municipal a tomada dos depoimentos das testemunhas para a
Comissão Parlamentar de Inquérito que apura supostas irregularidades nos repasses para a
Organização Social Instituto de Apoio a Políticas Públicas -IAPP. Os repasses ultrapassam a casa de mais de R$ 1 milhão.

Foram convocados para as oitivas servidores públicos da prefeitura. A empresa é a responsável pela gestão do contrato 183/19 da Secretaria da Saúde do município.

De acordo com a câmara, a CPI foi aprovada em abril com o objetivo de averiguar esses repasses supostamente irregulares. A comissão tem o vereador Jorge Ribeiro (PV) como presidente,
sendo relator Josué D’Menor (Avante) e membro Osmar de Souza (Republicanos).

O pedido de abertura para investigar o caso foi feito com base no processo administrativo protocolado na Secretaria da Câmara sob o nº 203/23, pelo empresário Luiz Fernando Godoi em que ele denuncia inúmeras irregularidades no repasse dos valores para a OS pelo terceiro setor
da Secretaria da Fazenda municipal.
O texto diz que “numa avaliação superficial, mesmo que glosados pelos setores competentes da Prefeitura, os valores pagos irregularmente remontam à espantosa cifra de R$ 1.0055.000,24, sendo o erário gravemente lesado por conta de tais práticas.”

Tais valores, segundo a denúncia, envolvem contratações de prestadores de serviços e compra dos materiais vinculados ao combate da Covid 19.

Luiz Godói diz que em fevereiro de 2021, algumas dessas transferências irregulares foram reconhecidas pela OS que teria devolvido os valores, mas neste mês houve uma outra transferência em favor do IAPP na ordem de
R$ 320.720,00. Depois, novamente, a mesma situação aconteceu em maio.

Polícia Federal

No dia 20 de junho, a PF deflagrou a operação Assepsia, para apurar denúncias de crimes praticados dentro da gestão da saúde pública do município. A PF disse que
há elementos suficientes que demonstram a existência de fraudes nas contratações. Entre os investigados, estão um ex-secretário de Saúde do município e um médico prestador de serviços para a Santa Casa. As investigações começaram em janeiro do ano passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *