Em grandes shows como Alok, prefeituras justificam que cachês milionários não comprometem cidades

IMG-20230901-WA0192

Marcello Veríssimo

A presença de grandes artistas em cidades espalhadas pelo interior do país, incluindo o litoral, sempre traz à tona a necessidade de se contratar shows com cachês milionários. Caraguatatuba, Ilhabela e São Sebastião investiram nos últimos 12 meses mais de R$ 8,5 milhões na contratação de shows musicais de artistas como Luan Santana, Alok e Thiaguinho.

No caso mais recente do DJ Alok, que se apresenta na noite desta sexta-feira (1) abrindo a programação do aniversário dos 218 anos de emancipação político administrativa de Ilhabela, o cachê pago ao artista é de R$375 mil.

O levantamento é da TV Vanguarda, afiliada do Grupo Globo na região, que analisou dados disponíveis no Portal da Transparência entre setembro do ano passado e agosto deste ano. Os contratos são realizados diretamente entre as gestões municipais e os artistas, ou com as empresas responsáveis pelo agenciamento, que são intermediárias.

De acordo com a reportagem, o levantamento não inclui gastos com montagem de estrutura, palco, iluminação, segurança e outras despesas necessárias para a realização dos eventos, levando em conta somente o valor do cachê do artista.

Pelo levantamento, Ilhabela foi a cidade do litoral norte que mais gastou com a contratação de shows: R$ 4,2 milhões. A segunda colocada é Caraguatatuba com R$ 3,1 milhões e São Sebastião, com R$ 1,4 milhão.

A única cidade da região que não possui esse tipo de despesa é Ubatuba.

Para se ter uma ideia, entre os cachês mais altos juntos com Alok, estão o cantor Luan Santana, que se apresentou em Caraguatatuba neste ano por R$450 mil, a cantora Simone Mendes, que fez show em Ilhabela por R$385 mil e o grupo Raça Negra R$280 mil.

Justificativa

A justificativa dos municípios é que esse tipo de atração movimenta a economia das cidades e, consequentemente, atrai mais turistas para a região.

De acordo com as prefeituras, o valor dos cachês dos artistas são considerados investimento no setor e não compromete a verba destinada a outras pastas. Em Caraguatatuba, por exemplo, o orçamento para o turismo é 2,5% do orçamento da prefeitura.

Já em São Sebastião após a pandemia, a prefeitura disse que adotou uma postura mais

cautelosa em realizar os grandes shows, dando prioridade à contratação de artistas locais.

Compartilhe nas Redes Sociais

Outras Notícias