Marcello Veríssimo

O paradeiro do homem que é suspeito de tentar estuprar uma mulher no fim de semana na costa sul de São Sebastião ainda é desconhecido. A divulgação do caso trouxe problemas para a categoria dos motoristas com a série de especulações, que circulam nas redes sociais, que eles dizem ser falsas.

No último final de semana, áudios no WhatsApp davam conta que ao menos três mulheres haviam sido vítimas do motorista de aplicativo misterioso em Caraguatatuba.

Mas a polícia não conseguiu confirmar essa informação e não existe nenhum tipo de ocorrência relacionada com violência sexual no período.

De acordo com a polícia, em um dos áudios, uma disposta vítima disse que conseguiu fugir do homem no bairro Martim de Sá, na região norte da cidade e que chamou a PM.
São mais de 20 áudios com cerca de 50 minutos, porém, segundo as investigações nenhum verdadeiro.

Apesar do caso em São Sebastião, e da apreensão do carro em carro, com um letreiro da empresa de aplicativos a polícia informou que não há registro de nenhuma ocorrência relacionada com crimes de estupro ou tentativa.

A Uber informou à reportagem que “não foi possível verificar o caso porque, até o momento, não foram fornecidas à empresa informações suficientes para checar se o motociclista mencionado é cadastrado no aplicativo da Uber. De qualquer forma, a empresa se coloca à disposição para colaborar com as autoridades no curso das investigações”, diz a nota.

Motoristas disseram que estão acumulando prejuízos depois que os áudios viralizaram, inclusive até dizem ser vítimas de ataques.

Os motoristas trabalham com medo. “Fui pegar a passageira no Perequê-Mirim e abordado por dois homens que me perguntaram se eu estava sabendo que tem um cara com veículo prata de aplicativo estuprando as mulheres na cidade. Eu percebi que eles estavam falando aquilo pela cor do veículo, mas contei que não tinha nada haver com isso e só estava fazendo meu trabalho”.

A categoria também disse estar amargando o cancelamento de corridas, após a veiculação do caso. “Quando a pessoa percebe que é um veículo prata cancela a corrida. Com um outro colega também aconteceu a mesma coisa, chegando ao destino a passageira cancelou no aplicativo”.

Os motoristas dizem que só querem trabalhar e estão acompanhando a busca ao suposto motorista que violentou a mulher na costa sul de São Sebastião. O carro que ele usava para cometer os crimes, um Hyundai HB20 prata, foi apreendido e a polícia procura por ele. “Só queremos trabalhar e continuar prestando sempre um serviço de excelência aos nossos passageiros e por fim, pagar as contas”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *