Marcello Veríssimo

Uma viagem pelo fio condutor sobre a história de vida da ceramista Mieko Ukeseki e sua trajetória com a arte. Essa é a impressão que se tem ao visitar a exposição “O Fio Vermelho de Mieko”, que será aberta nesta sexta-feira (8), a partir das 19h, na Casa de Cultura, da Secretaria de Turismo, na Rua da Praia, região central de São Sebastião. O evento também marca o lançamento do livro de mesmo nome.

Os artistas Bel Galvanese e Paulo Otero, que desenvolveram a obra, receberam a reportagem do JDL nesta quarta-feira (6), em primeira mão, ainda durante a montagem das peças para uma entrevista sobre a composição do projeto e um pouco sobre a vida de Mieko. “Mieko é uma ceramista de Cunha que veio para o Brasil em 1975, sem falar uma palavra de português com seu marido e um tradutor para a língua portuguesa, que também era ceramista”, explica Bel, que é uma discípula de Mieko com a arte da cerâmica e escreveu o livro. “Eles estavam à procura de uma cidade entre São Paulo e Rio para fazer as cerâmicas e escoar nas duas cidades”, completa Galvanese.

E eles conseguiram após uma longa procura, chegaram em Cunha e uma das primeiras pessoas que conheceram na cidade foi a mulher do prefeito da época. “Aí ela os chamou para conhecer o marido, que era ninguém menos que o prefeito”, disse Galvanese, sorridente.

De lá para cá, tudo foi uma história bem sucedida tanto para Mieko quanto para a cidade de Cunha. De acordo com Bel Galvanese, em um primeiro momento o prefeito parece não ter dado muita atenção e disse para Mieko que tinha uns matadouros de bois desativados e que ela poderia morar em um deles.

Cunha é uma pequena cidade no leste paulista, que possui pouco mais de 21 mil habitantes e atualmente é reconhecida como a Cidade da Cerâmica. De acordo com Bel, o movimento que Mieko deu início foi um dos responsáveis por esse reconhecimento, entre tantas outras conquistas da cidade.

Em uma das salas, também é possível ter acesso a peças do acervo da artista Mieko. Para conferir a exposição, basta ir à Casa da Cultura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *