Marcello Veríssimo

Última saída. Essa é a visão que a maioria das pessoas possui da eutánasia, procedimento ético e médico que se refere à prática de terminar intencionalmente com a vida para aliviar o sofrimento ou dor.

Esse é o objetivo do ICMBio (Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade) com o lançamento de um guia com procedimentos para a eutanásia.

O guia “Bem-Estar Animal: Guia Remab de Eutanásia de Cetáceos e Sirênios – Redução do Sofrimento Animal” foi lançado nesta quarta-feira (3).

De acordo com o ICMBio, o material foi elaborado em parceria com a Rede de Encalhes e Informação de Mamíferos Aquáticos do Brasil e é direcionado a pesquisadores e instituições que atuam no resgate de mamíferos em todo o litoral brasileiro e também na região Amazônica.

De acordo com o ICMBio, o objetivo é contribuir para a compreensão de como proceder quando o bem-estar do animal encalhado está comprometido de forma “irreversível e em sofrimento”. O procedimento poderá ser feito quando o resgate não for possivel.

Diversidade

Os ambientalistas dizem que o país possui uma grande diversidade de espécies de mamíferos aquáticos.

Para se ter uma ideia, são 92 espécies de cetáceos (golfinhos, botos e baleias) existentes no país, além de outras sete espécies de pinípedes (focas, morsas, leões-marinhos e lobos-marinhos) que ocasionalmente são encontrados nos mares do litoral norte.

O documento deixa claro que a opção pela eutanásia é do médico-veterinário, que deve estar registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Descarte

De acordo com os ambientalistas, após a realização do procedimento, a morte do animal precisa ser confirmada antes do descarte da carcaça ou da necropsia.

O Brasil não possui regulamentação para o descarte de carcaças de mamíferos aquáticos, especialmente os de grande porte como as baleias.

O guia do ICMBio recomenda ainda, entre outras medidas, o enterro na praia, em aterros sanitários, a eliminação no mar, incineração e a compostagem devido ao risco de contaminação para a população e outros animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *