Marcello Veríssimo

Durante sua visita mais recente a São Sebastião, no último sábado (3), o governador de São Paulo Tarcisio de Freitas (Republicanos) recebeu o pedido de reivindicação para a retomada das obras de saneamento básico em Maresias, na costa sul do município, que estão paradas desde o primeiro semestre do ano passado.

O ofício, assinado pelas seis entidades mais importantes do bairro, cobra a retomada imediata das obras. A falta de saneamento básico adequado é um problema antigo no bairro de Maresias.

O documento foi entregue pela presidente da Somar (Associação dos Amigos do Bairro de Maresias), Dirceia Arruda de Oliveira, durante a entrega das 186 unidades do conjunto habitacional destinado às vítimas da tempestade do ano passado.

A praia de Maresias, que é considerada uma das mais populares da região, recebe 30% dos turistas que frequentam o município durante todo ano, mas desconhecem a realidade dos moradores que vivem do lado oposto à praia.

De acordo com as entidades, a luta por saneamento básico adequado no bairro já dura cerca de 30 anos. O documento entregue ao governador tem cinco páginas e traz um pedido de socorro. As entidades reivindicam “encarecidamente, urgência na retomada das obras iniciadas e paralisadas”.

O documento explica que, com as obras paralisadas e o lençol freático muito baixo, comumente ocorre o transbordamento das fossas, que espelham mau cheiro em rios e nas ruas. As entidades ainda falam no risco à saúde pública dos moradores, além da poluição da praia prejudicar o turismo, entre outros pedidos.

Transparência – O documento cobra ações e transparência do governador Tarcísio para saber, por exemplo, como está o andamento do processo de recontratação de uma empresa para realizar as obras após a rescisão do contrato com a Sabesp.

O governador disse que a retomada das obras independe do processo de desestatização da Sabesp. Ele disse que a retomada da implantação do saneamento será “de imediato”, após avaliar o assunto com a Companhia de Saneamento Básico ao mesmo tempo em que considerou válida a preocupação dos moradores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *