Marcello Veríssimo

Parte da população de São Sebastião está cansada dos escândalos sequenciais na política. Após a repercussão das contas do vereador Edivaldo Pereira Campos (PSDB), conhecido por Teimoso (foto), que foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) na semana passada, a idoneidade dos políticos voltou a ficar ainda mais em evidência faltando poucos meses para a eleição municipal.

As contas que foram reprovadas são referentes aos anos de 2019 e 2020, quando o parlamentar foi presidente da Câmara de São Sebastião. A decisão saiu na quarta-feira da semana passada.

De acordo com o TCE, Teimoso é um recordista em irregularidades, como o pagamento de gratificações irregulares, entre outras e corre o risco de estar inelegível nestas eleições.

As contas de 2020, primeiro ano da pandemia, segundo o Tribunal de Contas, chamam a atenção pelo total de pouco mais de R$ 1 milhão, que foi pago durante a gestão de Teimoso.

Para o professor Hipólito Santana, ao longo dos anos os detentores do poder na cidade de revestem em uma aura que pensam ser maiores do que deveriam perceber que são. “Historicamente e se formos olhar o nome das pessoas no Tribunal de Justiça do Estado são centenas de ações correndo e quando não estão mais no poder tem que arcar com os custo de honorários e etc, baleia ferida é alvo fácil para tubarão”, analisa o professor.

E Teimoso foi uma baleia cheia de esquemas irregulares. De acordo com o TCE, enquanto esteve presidente do Legislativo, criou comissões para pagar gratificações aos seus integrantes e assim engordar salários dos seus funcionários, além de assessores do próprio Teimoso e de outros vereadores.

Farra de Cargos

A gestão do presidente Teimoso foi marcada por polêmicas. De acordo com o Tribunal de Contas, a formação de comissões era praticamente parte do cotidiano diário dos funcionários, mas em parte delas não há comprovação do trabalho feito.

Para o professor Hipólito, o crime na administração pública deve dar cadeia. “Se fez errado, que pague e ainda como envolve atitude perdulária com o dinheiro público, deveria ter que devolver tudo, além dos favorecidos também e todos arcarem com multa”, completou o professor.

O excesso de cargos comissionados também chamou a atenção do TCE, já que o Legislativo municipal é recordista em cargos de livre nomeação durante a gestão de Teimoso.

O JDL não localizou o vereador Teimoso para comentar o assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *