Marcello Veríssimo

O aumento de notificações e casos de dengue tem causado sobrecarga nos atendimentos da rede pública de saúde em Caraguatatuba.

Por mais que a prefeitura tente contornar a situação há relatos de moradores sobre demora no atendimento e desorganização. “Meu filho quebrou o braço e passei horas com ele para ser atendido por um pediatra na UPA”, disse um morador, que não quis se identificar.

Por conta da proximidade do inverno e com os casos de gripe somados à demanda de pacientes com dengue, a prefeitura informou aos jornalistas que reforçou nesta semana o efetivo de médicos nas UPAs das três regiões da cidade, que registram aumento de 50% nos atendimentos diários.

A cidade registra mais de 2, 3 mil casos de dengue.

Para se ter uma ideia, na semana entre 1º a 7 de abril, às três unidades ultrapassaram 10 mil atendimentos, sendo 30% referente aos sintomas de dengue, além dos casos de doenças respiratórias.

O maior tempo de espera é registrado na UPA da região central, que também recebe mais pacientes. A prefeitura informou que a unidade recebeu reforço de mais dois médicos no plantão e as UPAs Norte e Sul com mais um médico cada uma.

A estratégia adotada ainda inclui o chamado médico visitador para avaliar os pacientes que estejam em observação.

O setor de pediatria também recebe reforço. Com o reforço, a UPA Centro passa a ter 11 profissionais no esquema de plantão e outros cinco na pediatria.

A UPA Sul conta com sete médicos e a UPA Norte quatro profissionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *